GLOSSÁRIO

UM PROJECTO SEMÂNTICO

Este glossário tem cerca de 100 verbetes mas encontra-se em permanente actualização. Um work in progress portanto.

 

A

Adão Primordial


Expressão que contém um leque vastíssimo de implicações, em  planos e contextos distintos. No trabalho de conexão com Lys e Anu Tea as implicações principais são:

 

  • O modelo original na mente divina para a Criação como um todo, o universo dos universos, estrutura séptupla de Vida coroada pela consciência de Deus. Os Arquitectos Cósmicos lidam directamente com este modelo absoluto de pré-Criação. Assim, em certos contextos, a Criação Total pode ser compreendida simbolicamente como um Homem Celeste, coroado, em potestade.

  • A forma pensamento divina que impulsiona e origina a criatura que, por excelência, representa a evolução integral do universo natural, ou seja, o homem e, por extensão,  todas as Humanidades.

  • O código genético proveniente de mundos de supermatéria, partilhado com as humanidades planetárias, como dádiva à evolução das raças dentro de um plano rigoroso traçado pelo par criador Eloham/Eloha. A transmissão deste código genético é feita em áreas laboratório especialmente escolhidas por enviados e observadores celestes.

Adepto


Ser que alcançou a união entre o Eu Consciente e a Mónada, entrando no quinto reino, além do reino dos homens. Superando o véu imposto pela rede neural - pela inércia material presente no cérebro, e pela própria alma - o Adepto acolhe em sí o Espírito puro, incondicionalmente, sendo considerado a própria Mónada encarnada.  

 

O Adepto obtém a revelação da Luz do Espírito directamente e não através de corpos reflectores, mediadores, como a mente abstracta, a intuição, a sintonia com o corpo causal ou as revelações intermitentes de seu próprio Eu Superior. Tendo rompido o véu produzido tanto pelo pensamento como pela realidade relativa da Alma, o Adepto, ser da quinta iniciação, é uno com a sua Mónada de forma completa e contínua irrandiando para o mundo o poder vivificante de Deus e a compaixão da Mãe Divina. 


Corresponde ao estágio no qual a Luz de Órion brilha intensamente na cabeça a partir de  glândula pineal. Em cada século, os Adeptos são raros e singulares e correspondem à plena floração de uma vasta geração de iniciados.

Adoração


Atitude do Eu Consciente, do Ser Psíquico e da Alma de abertura total à influência divina, numa troca de amor e reverência intensificados. A Adoração, que emerge naturalmente como resultado da aspiração profunda, alinha o ser com os seus núcleos supremos, precipitando a força e a acção da Graça.

Alma


Núcleo de Vida do ser na quarta e na quinta dimensão. A alma, ou Eu Superior, acompanha o indivíduo de forma latente, num plano que vibra acima das reações psíquicas, próximo da Mónada. A partir de certa fase de amadurecimento psicológico a alma apresenta-se como um Instrutor Interno, aparentemente separado do Eu Consciente,  que, em diálogo interior, revela as chaves eternas para a  unificação das funções psíquicas num todo coerente. O seu principal atributo é a Luz clarificadora e o Amor-Sabedoria, podendo, no entanto, manifestar um leque ampliado de radiações divinas. 


A alma conduz o consciente pelos trilhos da existência apresentando sempre o caminho mais simples e mais puro para a realização integral do homem. Fonte de ânimo, criatividade e entusiasmo, a alma ascende ao corpo de luz assim que a personalidade se encontra coordenada e integrada, sendo aí absorvida pela presença monádica. 

Aliança


Tradicionalmente, o termo Aliança refere-se ao encontro entre a Deidade e o Homem, num acordo mútuo de convergência, encontro de paz e reconciliação entre os extremos do Universo. A Aliança liberta novas leis sobre a psique individual e colectiva, gera campos de radiação que suspendem as correntes erráticas e dispersivas do processo dialético planetário e introduz a história dos homens no âmbito da evolução dos Universos, rumo à realização do ser humano em Deus e à manifestação de Deus entre os Homens.

Alinhamento Axial


Concentração das forças e energias constituintes de um ser ao longo do seu Eixo Crístico universal, permitindo a sintonia com fontes e presenças de amplitude sistémica e sideral. Neste Alinhamento, ou sintonia axial, as correntes duais do corpo etérico humano, que circulam por canais próprios, são suspensas e uma terceira corrente, unificadora, instala-se, actualizando energeticamente o indivíduo com os seus núcleos transcendentes. 


A Sintonia Axial impele a consciência para zonas vibratórias acima da frequência do ultravioleta, promovendo a abertura do centro coronário à descida do fogo cósmico emanado pelos centros superiores. Tal alinhamento não depende de técnicas exclusivas ou de fórmulas rígidas, mas corresponde, simplesmente, ao ritual mais íntimo e secreto de um ser, sendo por isso um estado expontâneo e auto-evidente, desde que a sincera vontade de união com os núcleos cósmicos esteja presente.

Amuna


Ordem de Reis-sacerdotes cósmicos, eventuados directamente pelas mentes criadoras dos Deuses Paradisíacos de cada quadrante evolutivo – quadrante que compreende inúmeros sistemas estelares. Assim, este hierónimo não representa um Ser individual mas toda uma faixa de frequência dentro da mente divina. Os Amuna reúnem em si tanto os mistérios do sacerdócio – Pax -  como a autoridade do governo – Lex - a uma escala universal. 


São enviados aos mundos evolutivos na qualidade de representantes directos dos Deuses Criadores Originais, fundando escolas de cultura e iniciação cujo centro é, invariavelmente, uma Cidade Sagrada plasmada nos éteres do planeta. 


A visibilidade da Ordem de Amuna depende do ciclo de consciência no qual a Humanidade se encontra. Todas as escolas iniciáticas que respondem à Consciência Crística Universal estão sob a égide da Ordem de Amuna.

Anciões dos Dias


Consciências Supremas e Vidas Eternas, derivações secundárias de Deus Trino, que se encontram estacionadas no horizonte de Ultimidade, pré-criação e pós-criação. Existem vinte e um Anciões dos Dias sintetizados num vigésimo segundo cuja majestade só é superada pela Trindade e Suas derivações directas. 


Os Anciões dos Dias são arquétipos de arquétipos. Porém, são autênticas pessoas divinas, com autoconsciência e singularidade. Dos seus centros irradiam os 21 atractores cósmicos que sintetizam os arcos últimos do circuito força-energia-consciência para toda a criação. 
 

No retorno ao Paraíso, as Mónadas, alfa-omega-totalizadas pela fusão com um sujeito humano, atravessam os portais da Eternidade que conduzem aos Anciões dos Dias, propulsionadas pelo poder atractor dos Seus Signos Cósmicos.

Arcanos de Rá


Sequência de vinte e uma estações de consciência, ensinada por Rá,  cerca de 6000 anos atrás, no antigo Egipto. 


Sendo um sistema iniciático profundo, estes Arcanos contêm múltiplos níveis de intrepretação. Um destes níveis revela a história da evolução da consciência individual (1-7), da personalidade (8-14), e da alma (15-21), utilizando figuras narrativas e dramáticas com elevado poder simbólico. 


Destes Arcanos de Rá, numa fase posterior, menos alinhada com os princípios superiores, derivaram os modernos Tarots, cujo uso, frequentemente utilitário e egoísta, desvirtuou a realidade original e a intenção da Hierarquia na doação deste instrumento sagrado de aprofundamento da consciência.

Árvore da Vida


Símbolo inesgotável, presente em todas as tradições do Mundo, representando diferenciação, multiplicação e  ritmo a partir de  uma raiz comum. 


A Árvore da Vida, num sentido macrocósmico, simboliza os condutos siderais que sustêm os mundos criados, tanto no plano físico, como psíquico, como espiritual. É compreensível como a rede neurológica de  Deus, distribuindo a Sua presença por veios principais que se diferenciam em condutos secundários e terciários. 


Representa a dotação de Vida ao longo dos planos da manifestação, numa estrutura cuja seiva se origina na raiz, o Paraíso e a Trindade Suprema. 

Ashtar Sheran

Hierarquia de linhagem crística – eventuado por Eloham, ou Cristo Miguel – que supervisiona a operação de resgate da consciência e a actualização da humanidade terrestre em relação a outras humanidades evoluídas do cosmos. 


Ashtar Sheran comanda os movimentos e ciclos de aproximação da frota supraterrestre – e supratemporal - que responde aos desígnios dos Deuses Criadores Originais na actual transição planetária. 


Figura imponente e radiante, a sua presença evoca um sentimento de coragem e impulso para a assunção dos caminhos evolutivos superiores. Estes comandos supraterrestres,  no entanto, advertem que a sua presença não pode ser tomada como base para a criação de sistemas sectários, de submissões devocionais ou de retrocesso infantil dos níveis intelectuais, afectivos e espirituais já alcançados pela Humanidade, nem conduzir à alienação da responsabilidade humano-terrena pelos assuntos planetários que estão ao nosso alcançe resolver.

 

Aspiração


Atitude do ser psíquico na qual o desejo é conduzido a níveis supramentais transmutando-se numa emoção elevada, sentimento de nostalgia do divino e vontade dinâmica de O conhecer e n’Ele se fundir. 
 

A Aspiração activa o subplano mais elevado do nosso corpo astral unindo-o ao Corpo Causal, banhando o ser em sabedoria e serenidade. Nos tempos actuais, a Aspiração dirigida aos nossos próprios núcleos superiores é fundamental na cura psíquica e na regeneração emocional.
 
Astrologia


A Astrologia é um Conhecimento Revelado por agentes celestes em ciclos da evolução da Terra em que existia proximidade entre a consciência terrestre e a consciência cósmica. No presente ciclo de evolução humana-planetária, os primeiros registos astrológicos datam de 1645 AC na Babilónia, mas uma observação intuitiva do corpo de conhecimentos astrológicos permite compreender que as suas origens são muito mais amplas que qualquer sistema de conhecimento gerado por processos dialécticos – processos que têm a sua raiz na mente planetária condicionada pelo véu gnoseológico que separa o consciente do super-consciente universal.


A Astrologia é um conhecimento do tempo qualitativo. Ou seja, do tempo cronológico percepcionado como uma sucessão de estados de consciência e estações de definição do Ser.


O estudo astrológico introduz mapas precisos sobre a Ordem Cósmica expressa pelo nosso sistema solar e sobre a modelação progressiva da vida psicológica dos homens sob o impacto directo de Poderes e Grandes Vidas que são correntes de qualidades e de radiações divinas: os planetas, as casas zodiacais, os signos astrológicos, os aspectos e os trânsitos.


No universo cognitivo revelado pela Astrologia, a existência é a floração – ou inibição – de ritmos ordenados, de padrões cíclicos, de conjunções de potências e leis cósmicas expressos ao longo de uma matriz cíclica de continuidade.


A leitura deste tipo de conhecimento pode ser feita através de uma compreensão interna do Zodíaco, dos planetas, de funções oblíquas como Quíron, e do mistério dos tempos simultâneos. 


Mas, apesar de toda a sua exactidão e amplitude, um mapa astrológico não revela o potencial definitivo da vida em si. É antes um hieróglifo dos potenciais do Ser, uma marca ígnea onde vários portais de oportunidade se anunciam à consciência individual e colectiva.


O Novo Ser, em incubação em todos nós, hoje, é fruto não apenas da evolução psicológica e psico-afectiva, do amadurecimento integral das diferentes partes do ser, tal como descrito nos 12 trabalhos de Hércules e na tradição astrológica, mas é principalmente fruto da Graça operando de dentro para fora, de cima para baixo, em contínua NEOGÉNESE libertadora. 


As funções hoje conscientes – correspondendo aos planetas pessoais – tornam-se gradualmente subconscientes e o foco do Ser Consciente transfere-se gradualmente para o nível intuitivo e, em certos casos, para o nível espiritual – níveis regidos por planetas suprapessoais ou mesmo por corpos celestes ainda por revelar no nosso sistema estelar. 


Este novo ser – o ser gnóstico – encontra-se representado pelo centro do Zodíaco, o centro do mapa astrológico, pelo 13º signo, o Unicórnio, símbolo da passagem do estado psíquico para o plano da influência monádica.

Asuras


Seres criados em glória mas que, pela incapacidade de conterem e correctamente mediarem tal dádiva divina, se desligaram do plano original dos Elohim. 


Os Asuras foram em tempos parte do corpo de administradores de regiões espaciais amplas, detendo previlégios na geração de tipos de vida, de aceleração ou inibição de correntes criativas e raios sistémicos e na regulação da cadência evolutiva entre pensamento, tecnologia, cultura, espiritualdade e revelação pura.


Na sua “queda”, arrastaram consigo algumas ordens menores de seres angélicos sendo, posteriormente, confinados, por ordem de Eloham/Eloha, a acções muito locais e a âmbitos reduzidos.


No que diz respeito à Terra a acção asúrica fundamental consistiu em acelerar, na Humanidade, a evolução da mente e do conhecimento sobre certos sistemas de força e de energia, prematuramente, em desequilíbrio com a correspondente evolução espiritual dos povos.

 

Sectores da humanidade foram escravizados ou tomados pelo orgulho e a aquiescência em relação a Deus e a fontes puras de ensinamento repelida. 


Os Asuras que se encontram na Terra são quatro, segundo Mira Alfasa (conhecida como A Mãe): o senhor da Morte, o senhor da Mentira, o senhor das Nações e o senhor da Ilusão. 


Estes quatro Asuras, regidos por um quinto inominado, operam sob a direcção de entidades negativas extraterrestres, deuses caídos de iguais tendências, e trabalham, a uma escala global, dentro dos sistemas de saúde, das estruturas governamentais, das polícias de estado, dos sistemas financeiros, do complexo militar-industrial, de sociedades secretas e de famílias aristocráticas herméticas que detêm poder sobre as decisões mundiais.


Nos tempos actuais este corpo asúrico foca principalmente o adormecimento da Humanidade através de controle mental electromagnético, de processos de globalização e normalização do comportamento das massas, de impérios ligados aos mass media, aos tóxicos e ao desejo instintivo deslocado, bem como pela fascinação consumista, combinados com uma cuidadosa gestão do medo e a imposição de um transe de pessimismo e de desespero sobre a população mundial. O seu plano implica a apresentação de um governo mundial ditatorial a um mundo devorado pelo caos, desordem geral, que eles mesmos criaram como aclimatização para a sua própria hegemonia.


Atractores Cósmicos/Insígnias Cósmicas


Vinte e um núcleos significantes que, em voltagem infinita, concentram o magnetismo divino. Encontram-se no limiar entre o universo criado e a existência incriada, a Inalterância. 


Associados aos Anciões dos Dias, os atractores cósmicos sintetizam os vinte e um circuitos da energia, da força e da consciência para toda a criação, iluminando o corpo monádico com a eterna Luz de Glória, corpo que é selado com a Insígnia específica do veio evolutivo supremo atribuído à Mónada, desde o princípio. 


A Luz e Poder magnético de um Atractor Cósmico é capaz de conduzir o ser desde a vida humana ao encontro com a Divindade. Os atractores cósmicos são meta-meta-significados, reunindo no seu seio toda a razão de ser e percurso da Mónada, conferindo uma identidade última ao Peregrino no seu retorno à casa do Pai. Os Atractores irradiam igualmente sobre grupos, estrelas ou galáxias, impregnando o centro de cada sistema evolutivo com o seu poder conciliador supremo.


A essência do trabalho com a Reflexividade cósmica, o sistema dos Espelhos, é transmitir a natureza dos vinte e um Signos-Atractores a todas as partículas da criação, e, pelo seu poder modelador-significante, regenerar os universos à imagem e semelhança do Paraíso.

 

Auriahne


Hierarquia de Lys, porteira do Reino e encarregada pelos contactos com o homem da superfície da Terra. Em etapas anteriores exprimiu-se através da personalidade da Rainha Santa Isabel, ser de graça, candura e beleza que imprimiu potentes radiações intraterrenas e extraterrestres no éter da zona central de Portugal, bem como no seu próprio corpo físico que, ainda hoje, se mantém em estado de relativa incorruptibilidade no convento de Santa Clara, em Coimbra. 
Foi Auriahne quem preparou o autor, desde 1987, para o contacto telepático e interno com o Reino de Lys.

 

Auto Revelação


Processo espontâneo no qual os núcleos anímico e espiritual do próprio indivíduo desvelam gradualmente a sua presença e realidade, instalando-se nas funções cognitivas do estado de vigília. À medida que os véus são removidos e o ser se compreende UNO com toda a criação, a actividade, ritmo e qualidade dos seus níveis internos pode permanecer estável na sua consciência diúrna, ao mesmo tempo que o ser psíquico, desperto, é gradualmente absorvido pela alma.


Pela Auto revelação, um ser humano dispensa progressivamente o recurso a formações religiosas externas, ou devoção linear, a representantes do sagrado, tornando-se consciente de que Aquele que ama está dentro de si, apresentando-Se directamente na câmara do coração, acessível e sem rituais pré-ordenados.


A Auto revelação, conhecida pelos monges do monte Athos por Theosis, liberta a psique para o Deus vivo, experienciado, em primeira mão, como a parte essencial de nós mesmos. 

B-01.jpg
 

B

Biocomputador Cristalino ( O Coração da Terra )

Entidade automática de sincronização Terra-Céu existente como um imenso coração de luz pulsante no sétimo subplano etérico do centro geográfico da Terra. 


Trata-se do Trono de Poder da Mãe do Mundo. 


O Coração de Cristal – ou biocomputador cristalino – pulsa em sincronia com o Trono da Mãe Divina que se reflecte no núcleo estelar das Plêiades. Ambos, o Trono da Mãe Divina e  o Trono da Mãe do Mundo, são expressões da Lux Aeterna, no Paraíso.


O Coração de Cristal sincroniza, para cada ser humano, a relação entre o circuito concretante, materializador, e o circuito abstraente, subtilizador, em função do ponto evolutivo da consciência e do amadurecimento da alma. Opera assim um supercontrole sobre as respostas da matéria à radiação da consciência e do Espírito.


Quando a Física regista as descontinuidades e os “saltos” de partículas subatómicas no espaço, aparecendo em outros locais sem que um deslocamento linear se tenha  verificado, está a observar a relação da força cósmica com o seu sincronizador central terrestre, o Coração de Cristal, que as projecta em pontos espaciais distintos pela materialização/desmaterialização contínua, usando dimensões não-lineares.


Por conhecer o destino último de cada partícula, este biocomputador pode acelerar ou desacelerar os ciclos matéria-antimatéria de cada átomo ou partícula, de forma a ajustar a densidade dos veículos de um ser à sua pulsação espiritual. Os segmentos não-observáveis da trajectória das partículas correspondem ao momento em que o sincronizador central as atraiu para o universo antimatéria. O “tempo” que uma partícula se demora no universo antimatéria determina o seu grau de radiação no universo-matéria. 


A unificação de todas as quatro energias fundamentais da manifestação numa quinta energia, sintética – a teoria do campo unificado – corresponde ao graal das ciências exactas, pois essa quinta energia, unificadora, é a chave de acesso ao próprio sincronizador central, seja terrestre, sistémico, ou paradisíaco, portal que se encontra vedado à Humanidade actual até ao final do presente ciclo, pelos perigos que tal conhecimento implica.


No limite, a acção do sincronizador central pode levar à completa desmaterialização do corpo físico-etérico-astral de um ser ou de um povo inteiro, processo conhecido como Ascensão, no qual os veículos são retirados do espaço-tempo linear e replasmados no espaço-tempo para-absoluto de regiões de glória integradas às Leis Trinas do Paraíso.
Por ser automático, o sincronizador terrestre central responde de forma exacta à Vontade da Mãe do Mundo, operando ambos, Sincronizador e Mãe, como a mente divina que sustenta a realidade terrestre.

Regência da Evolução da Substância e Supercontrole  Material. Cada círculo corresponde a um trono de poder da Mãe.

Bora-Bora


Pequeno arquipélago na Polinésia Francesa que acolhe um dos principais portais de acesso a Anu Tea. Em Bora-Bora mantém-se ainda a latência do éter primordial, em preparação para os tempos futuros. 


Zona de pureza vibracional ímpar, neste arquipélago é possível vivenciar, nos corpos subtis, a matriz original dos Elohim e contactar um arco de conhecimento sobre a história da Terra que reúne os ciclos primordial, lemuriano e atlante, bem como contactar a síntese que conduzirá à revelação da civilização pós-mental que nos aguarda na quarta dimensão.


A ilha japonesa de Yakushima, o parque de Haleakala, no Hawaii, e Bora-Bora formam um triângulo fundamental na futura revelação de Anu Tea ao mundo.

C

 

Chuva de Metatron


Corrente baptismal de Yods, proveniente do limiar do Trono de Órion, carregada de informação Trina, que actualiza o homem de barro (carbono, oxigénio, nitrogénio e hidrogénio) elevando-o à unificação com a sua Verdadeira Imagem divina, purificando a mente e o psiquismo e ajustanto as linhas de energia do corpo com as linhas siderais da química estelar da Árvore da Vida, suspendendo ou invertendo as leis da entropia física até à irrupção do campo vibracional dos cinco centros superiores sobre a natureza de um ser.

Cidade Sagrada de UR


Templo e civilização intraterrena no centro da Argentina, na província de Córdoba, na zona de Capilla del Monte, próximo da Serra El Passarito e do parque natural de Los Terrones. 


Em Ur, um dos principais trabalhos com os espelhos é desenvolvido, num vasto amplexo energético onde o conselho iniciático para a Humanidade ancora a sua expressão.


A sigla e.r.k.s – encontros dos remanescentes cósmicos – designa, no nível humano, o programa da Cidade Sagrada de Ur, pois desde há milhares de anos que UR prepara o programa de atracção e despertar sincronizado de seres humanos que, pertencendo a outras regiões do cosmos, se encontram na Terra plenos de uma consciência de serviço.
 

O núcleo crístico mais potente do planeta encontra-se em UR, operando como um graal atractor no chamamento para o despertar para a vida superior, dentro de ciclos estabelecidos pelos conselhos solares e galácticos sob a regência de Eloham/Eloha.


Uma das sacerdotisas de Ur, Guatuma, encontra-se, inclusive, projectada num ser físico que coordena um dos centros espirituais da região.

Cinco Centros Superiores


Núcleos de concentração de actividade energética, superior à faixa de frequência humana, que se encontram ao longo do eixo vertebral, mas acima do crânio. 


Estes cinco centros ajustam o indivíduo à imensidão do cosmos e de sí-mesmo, expandem a sua percepção do possível, transfiguram a sua identidade relativa em uma identidade espiritual revelada, ligando-o a mundos ardentes e celestes e libertando-o das constrições do universo material, psíquico e ilusório.


A tendência destes centros, em seres abertos à transformação total, é descerem ao plano corporal e, aí, reinstalarem-se no campo etérico, assimilando, por ciclos, a actividade dos setes chakras, sintetizando-os.

 

Conselhos Internos

- em preparação -


Corpo Causal


Nível reflector do ser humano, situado acima da vibração mental abstracta.


O corpo causal, ou búdico, reflecte na personalidade, como num lago se reflectem as margens, as realidades internas mais profundas: a alma, o corpo de luz e a Mónada.


No corpo causal, os estados de oração, silêncio, paz profunda, transmutação de forças obscuras, inspiração, alegria, desapego e exaltação são naturais e fluem sem esforço ou regras fixas.


Grande parte das disciplinas espirituais, entre estas a chamada meditação, são formas rítmicas de colocar o Ser em contacto estável com o seu corpo causal, ponto a partir do qual ele poderá inundar a sua personalidade de luz, visão, clareza e amor sem a necessidade de perpetuar as disciplinas iniciais.


A relação entre o corpo causal e a aura é uma relação vertical-horizontal, na qual o corpo causal assimila e reflecte as realidades internas, ao longo do eixo vertical do ser, e a aura irradia estas qualidades no éter e nos planos subtis, ao longo do eixo horizontal.

Corpo de Luz


Veículo transcendente à mente e à alma que realiza a união entre o nível monádico/divino e os níveis humanos em cada ser. O corpo de Luz encontra-se no plano espiritual, “acima” da mente e da intuição e “abaixo”, em frequência, da Mónada. 


Este veículo alimenta-se de luz divina (OHR) na mesma proporção em que reúne a luz de adoração (UR) do indivíduo encarnado. Quando atinge um certo grau de fulgurância e poder criador, este veículo torna-se na Merkabah individual, um campo de dois vórtices em contra-rotação relativa que, envolvendo por completo os corpos subtis do homem, deslocam a sua consciência, e mesmo o corpo fisico, das dimensões lineares de causa e efeito.


O centro do corpo de luz coincide com o centro da Transfiguração, acima da cabeça, o décimo centro.
O corpo de luz é altamente estimulado pelo espelho de Ur, ou Erks, na Argentina, principalmente pela acção iniciática de Ashtar Asghran e de Ulikron.

Corpo Gemátrico


Nível etérico superior do corpo humano que reúne a maior concentração de códigos divinos de luz, aplicáveis aos corpos tridimensionais, principalmente ao corpo físico e aos seus orgãos e sistemas constituintes. 


O corpo gemátrico guarda a identificação energética original de cada célula, podendo restituir e aplicar a vibração divina, presente na mente dos Elohim, através de pulsões-signo, contendo “letras” e “números sagrados”, sobre os tecidos vivos.
Esta regénese plasma a verdadeira imagem e semelhança, não apenas no plano da consciência e da alma, mas também nos tecidos vivos do corpo.


O corpo gemátrico representa o adão primordial no plano etérico humano e, por se encontrar em conexão directa com a actividade astroquímica do nosso sistema estelar, e mesmo a de além, corresponde ao “livro” dos pesos e das medidas divinos para a forma humana. 


Consciências coligadas a Shamuna, como Leonardo da Vinci e Sri Aurobindo, lidaram, de formas diferentes, com a atracção da frequência do corpo gemátrico para a superfície da vida humana.

Correntes de Sustentação Sistémica


Ramificações da Árvore da Vida em cada sistema estelar doadoras de energia pura – vitalidade, expansão, anulação da entropia e continuidade da consciência. As correntes de sustentação de um sistema mantêm as Hostes Angélicas, as Hierarquias, os Melkisedek e os povos sacerdotais em alinhamento com as suas fontes originais, retransmitindo-se assim às Humanidades evolutivas de cada planeta.


Os laboratórios cósmicos na Terra - áreas de aperfeiçoamento genético das raças por indução de frequências extraterrestres de modelação da vida, desde o ciclo do ATP até aos biótipos finais - são zonas-jardim onde as correntes de sustentação do sistema estelar, a que a Terra pertence, ancoram e a partir daí se disseminam, numa propagação radial que usa a evolução da consciência e do amor como linhas magnéticas condutoras.

Cristo-Miguel


Literalmente: O Ungido Semelhante a Deus. 


Cristo-Miguel é um termo limitado à vibração terrestre de Eloham, o nosso deus criador sistémico, cujo nome cósmico permanece não-revelado. 


O termo, de origem composta, helénica e judaica, altamente mântrico, concentra, no entanto, potenciais de conexão com Sírius, zona estelar de onde emana a principal corrente crística ligada ao Trono de Órion.


A presença de Cristo-Miguel operou, de forma filtrada e indirecta, através de inúmeros avatares e mestres do presente ciclo e, de forma directa, sobre a personalidade de Jesus de Nazaré. O retorno dessa presença ao consciente colectivo dos povos inicia-se agora, sob a corrente aquariana, através da iluminação e reactivação dos povos sacerdotais, entidades colectivas com origem em Sírius.  


Os povos sacerdotais, existindo dentro e fora das fronteiras políticas e geográficas dos países actuais, são comparáveis a  discípulos grupais de Cristo-Miguel, as tribos-pilares da humanidade.

D